Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O ministro de Agricultura, Pecuária e Abastecimento Blairo Maggi, discursa em Brasília, no dia 29 de março de 2017

(afp_tickers)

O ministro de Agricultura, Pecuária e Abastecimento Blairo Maggi disse, nesta quinta-feira (19), em entrevista à AFP, ter se surpreendido ao ver a França usar o escândalo da Carne Fraca, deflagrado em março deste ano, nas negociações de um acordo comercial entre Mercosul e União Europeia.

"Para mim, foi uma grande surpresa quando o novo embaixador da França disse que o Brasil não fez nada depois da Carne Fraca", disse Maggi.

"Pelo contrário. Nós tomamos muitas atitudes, mudamos muitas coisas e já estamos aperfeiçoando o nosso sistema (de controle sanitário). Isso demonstra um desconhecimento daquilo que aconteceu" por parte do embaixador, acrescentou.

O novo embaixador francês em Brasília, Michel Miraillet, tinha dito à imprensa brasileira que autoridades locais não tinham feito nada para garantir a qualidade dos produtos depois do escândalo.

Questionada pela AFP, a embaixada da França disse lamentar que as declarações sobre a carne adulterada tenham sido divulgadas "fora de seu contexto global".

Uma porta-voz disse que Miraillet tinha declarado aos jornalista que "apesar de a investigação ligada ao escândalo revelar um bom funcionamento da democracia brasileira, lhe parecia que o Brasil não tinha compreendido corretamente a dimensão da amplitude do impacto que o escândalo teve nos países europeus".

A porta-voz ainda disse que Miraillet tinha "insistido no fato de que essas preocupações com a segurança alimentar se tornaram muito importantes para a população europeia, inclusive a francesa".

Maggi garantiu que a Carne Fraca é uma página virada, mas afirmou ter ficado surpreso com a postura de Miraillet de trazer isso para as negociações.

"Estão querendo colocar uma coisa na mesa que nós, brasileiros e o Mercosul, devemos rechaçar", afirmou.

A pedido do presidente francês, Emmanuel Macron, a cúpula da UE deve discutir sua política comercial nesta quinta-feira. Macron pede para o bloco ser mais protecionista, em meio à fase crucial das negociações de um acordo com Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai.

- Laticínios barrados -

Na entrevista, Maggi também disse que o bloqueio brasileiro aos laticínios uruguaios só será interrompido quando o país vizinho provar a origem de seus produtos.

"Estamos fazendo uma verificação de denúncias que recebemos. No momento que o Uruguai apresentar as documentações necessárias que o Brasil está pedindo, nós vamos fazer a liberação", declarou o ministro à AFP.

"Nós não temos grandes motivos para fazer todo esse embargo".

O governo tomou essa medida após denúncias de produtores de que os laticínios uruguaios são provenientes de uma triangulação, o que lhes permite entrar no mercado com um preço baixo, que prejudica a concorrência.

"Tomamos uma providência e seguramos o leite do Uruguai até que ele mostre pra gente que o leite que estão produzindo lá é leite oriundo de Uruguai", disse o ministro. "Na hora em que comprovar isso, eu não tenho mecanismos para segurar", explicou.

"Eu gostaria muito de um sistema de cota. Eu não quero diminuir a quantidade de leite que entra do Uruguai. Só ter uma previsibilidade de quanto entra todos os meses", afirmou.

Contudo, o fim do bloqueio não está sujeito à criação das cotas, disse, mas à comprovação de que o leite que o Uruguai exporta é efetivamente produzido ali e não na Argentina e na Nova Zelândia, como alegam alguns representantes do setor no Brasil.

Montevidéu protesta contra a medida e garante que "é impossível fazer uma triangulação", segundo o chanceler uruguaio Rodolfo Nin Novoa.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP