Pelo menos 51% dos norte-irlandeses votariam a favor da reunificação da ilha da Irlanda em caso de consulta popular sobre a manutenção da província britânica no Reino Unido - revela uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira (12).

Esta estreita maioria - que marcaria uma histórica mudança na Irlanda do Norte - está dentro da margem de erro da sondagem, ameniza seu autor, o cientista político Lord Ashcroft.

Segundo a enquete, 45% dos entrevistados se declararam a favor de permanecer no Reino Unido, e 46% a favor de se unir à vizinha República da Irlanda, país-membro da União Europeia.

Excluindo-se indecisos e abstencionistas, o resultado seria de 51% a favor, e 49%, contra a unificação.

A pesquisa foi feita sobre uma amostra representativa de 1.542 pessoas na Irlanda do Norte, entre 30 de agosto e 2 de setembro.

"Este resultado reflete a incerteza e a ansiedade que cercam o Brexit, a fronteira irlandesa e seu efeito potencial na vida da província" britânica, analisa Ashcroft.

A questão da fronteira irlandesa, cujo retorno pode ameaçar o frágil acordo de paz que, em 1998, pôs fim a três décadas de sangrento conflito na Irlanda do Norte, é o principal obstáculo a um acordo sobre o Brexit entre o governo britânico e a UE.

Com 1,8 milhão de pessoas, a província britânica situada no norte da ilha da Irlanda é, majoritariamente, habitada por protestantes, favoráveis à união com a Grã-Bretanha. Já a minoria católica reivindica a reunificação com a República da Irlanda.

Profundas mudanças demográficas estão sendo registradas no território, já que os católicos são cada vez mais numerosos. De acordo com o último censo, de 2011, eles representavam 45% da população, contra 48% de protestantes.

O acordo de paz da Sexta-Feira Santa de 1998 deixa a porta aberta para uma eventual unificação da ilha, em caso de maioria a favor em uma consulta popular.

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.