Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Destruição na cidade de Bengasi, na Líbia, em 13 de março de 2018

(afp_tickers)

Mais de 16.000 migrantes africanos que estavam em acampamentos na Líbia e se ofereceram como voluntários foram repatriados a seus países de origem em janeiro e fevereiro, anunciou nesta terça-feira (13) a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini.

"Nos dois primeiros meses do ano (...) conseguimos salvar e libertar mais de 16 mil pessoas de campos da Líbia", disse ante deputados europeus reunidos em sessão plenária em Estrasburgo.

Em reação à indignação causada pelas imagens dos mercados líbios de escravos, a União Europeia afirmou em dezembro que tinha o objetivo de repatriar da Líbia 15.000 migrantes antes do fim de fevereiro.

"Em dois meses, conseguimos fazer mais que no ano anterior e já em 2017 os resultados foram dez vezes melhores do que em 2016", comemorou a alta funcionária europeia.

Segundo Mogherini, ainda restam entre 4.000 e 5.000 pessoas nestes campos líbios.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.









Teaser Longform The citizens' meeting

Teaser Longform The citizens' meeting

The citizens' meeting

AFP