Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Migrantes esperam o desembarque no porto da Catânia

(afp_tickers)

Mais de 900 migrantes que se encontravam a bordo do barco de serviços da Guarda Costeira italiana desembacaram nesta quarta-feira no porto siciliano de Catânia.

Este desembarque ac ontece no dia seguinte à partida para a Espanha do navio humanitário "Aquarius", da ONG francesa SOS Méditerranée, que transportava 629 migrantes e ficou parado durante mais de 72 horas, uma vez que Itália e Malta se negaram a abrir seus portos.

A maioria dos 900 migrantes chegados à Catânia são eritreus. O barco transportava 200 menores, incluindo um bebê de três meses, segundo a ONG Save the Children.

Oitocentos desses migrantes serão transferidos para outras regiões italianas, segundo a polícia local.

É o primeiro desembarque tão numeroso de migrantes desde a chegada ao poder da nova maioria italiana, integrada pela Liga (extrema direita), cujo chefe Matteo Salvini também é ministro do Interior.

Salvini advertiu que os portos italianos estariam fechados às embarcações de ONGs europeias que auxiliam migrantes frente ao litoral libanês.

Esta medida foi aplicada ao "Aquarius", apesar de lanchas da Guarda Costeira italiana ter levado alimentos e medicamentos e ter transportados os refugiados. bur-ljm/ob/sg/age/mb/cn

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP