Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Sebastian Gorka, acusado de laços com grupos de extrema-direita

(afp_tickers)

O assessor do presidente dos Estados Unidos Sebastian Gorka deixou a Casa Branca, nesta sexta-feira (25), envolvido em polêmica e em meio a declarações contraditórias sobre se teria sido demitido, ou pedido demissão.

"Sebastian Gorka não renunciou, mas posso confirmar que não trabalha mais na Casa Branca", disse um funcionário à imprensa, depois de o assessor ter dito que saiu por vontade própria.

De acentuado sotaque britânico, Gorka, de 46 anos, tornou-se um rosto familiar na televisão, com forte defesa do presidente americano. Nascido em Londres de pais húngaros, obteve cidadania americana nos últimos anos.

Assistente adjunto do presidente, foi acusado de vínculos com grupos de extrema-direita, e seu conhecimento sobre a luta contra o terrorismo foi questionado repetidamente por seus companheiros.

Seu fracasso para ganhar autoridade na área de Segurança lançou dúvidas sobre seu papel na rotina da Casa Branca.

Ele chegou a ser visto entrando em eventos no Salão Oval, não com os membros da equipe do presidente, mas com a imprensa, e tirando fotos dos jornalistas por trás das asas do avião presidencial Air Force One.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP