Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Cerca de 10.000 pessoas protestaram neste domingo em Casablanca, capital econômica do Marrocos, em apoio à população de Gaza, denunciando as operações militares israelenses no enclave palestino e a falta de ação internacional, constatou um jornalista da AFP.

(afp_tickers)

Cerca de 10.000 pessoas protestaram neste domingo em Casablanca, capital econômica do Marrocos, em apoio à população de Gaza, denunciando as operações militares israelenses no enclave palestino e a falta de ação internacional, constatou um jornalista da AFP.

Esta nova manifestação, a maior no Marrocos junto com a realizada há duas semanas em Rabat, havia sido convocada pelo movimento islamita Al-Adl Wal Ihsane (AWI, "Justiça e Beneficência"), que é proibido mas tolerado pelo governo.

"Queremos ir a Gaza", "Abram as fronteiras", "Morte a Israel", "Queremos vingar nossos irmãos", gritavam os manifestantes, agitando bandeiras do movimento radical palestino Hamas e exibindo mísseis de papel.

Alguns chegavam a exibir bonecos, simulando corpos de crianças, em uma forte crítica aos "massacres" do Exército israelense.

"Lá há famílias. Centenas de palestinos são mortos a cada dia diante da indiferença geral. Isso é inadmissível", declarou à AFP Aziz Fekkous, um jovem estudante ao lado de seu pai e de sua irmã.

Para Omar Aherchane, um jovem dirigente da AWI, "protestar contra esta agressão é o mínimo a fazer pelos palestinos".

As autoridades marroquinas condenaram em diversas oportunidades "a agressão militar israelense" contra a Faixa de Gaza.

O rei Mohammed VI, presidente do Comitê Al-Qods (Jerusalém, em árabe), anunciou o desbloqueio de uma "ajuda humanitária de urgência" de cinco milhões de dólares para a população do enclave palestino.

AFP