Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Militantes contrários ao racismo manifestam-se durante o discurso de Spencer em Gainesville

(afp_tickers)

Centenas de manifestantes vaiaram e insultaram o supremacista branco Richard Spencer nesta quinta-feira, na Universidade da Flórida, forçando-o a abandonar o local sem fazer o discurso que pretendia.

Apenas 30 seguidores de Spencer compareceram ao auditório da Universidade, em Gainesville, sendo amplamente superados em número pelos manifestantes anti-racistas.

Quando Spencer entrou no auditório, foi recebido por um coro irado que gritava "foda-se, foda-se".

"Esta é uma grande saudação. Obrigado pelas boas-vindas", ironizou Spencer, enquanto o público se colocava de pé e com o punho erguido gritava: "Spencer nunca mais! Spencer nunca mais!".

"Vão continuar com isto por toda a noite?" - perguntou Spencer.

Em uma breve sessão de perguntas e respostas que mais parecia uma troca de insultos, Spencer foi acusado de ser "infantil" e disse que os manifestantes tentavam "calar um movimento que está crescendo e que defenderá as pessoas brancas".

Do lado de fora do auditório, cerca de 1.500 manifestantes protestaram contra a presença de Spencer na cidade de 130 mil habitantes.

Em alguns prédios do campus foram colocados cartazes com frases como "Amor, não ódio".

Spencer, um dos líderes da "alt-right" ou "direita alternativa", liderou a marcha de militantes de extrema direita e neonazistas em Charlottesville, Virgínia, em 11 de agosto passado, que degenerou em violentos distúrbios.

No dia seguinte, em uma contramanifestação, um supremacista branco jogou um carro contra a multidão deixando um morto e 19 feridos.

A organização presidida pelo supremacista de 39 anos, o National Policy Institute, é catalogada como um grupo de ódio pelo SPLC.

Temendo a repetição dos confrontos, o governador Rick Scott declarou o estado de emergência para reforçar a segurança em Gainesville.

Os arredores da Universidade, assim como as ruas que dão acesso ao campus, foram fechados ao trânsito. As aulas nos locais próximos ao Centro Philips, onde aconteceu o evento, foram suspensas.

Também foi proibido carregar - dentro e nas proximidades do local - vários artigos, incluindo escudos, guarda-chuva, garrafa de água e mochilas.

A Universidade da Flórida aceitou receber Spencer em seu campus em nome da "liberdade de expressão", mas destacou que não foi convidado pela instituição, e pagou 10.564 dólares pelo aluguel do local e a segurança interna da universidade.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP