Quase mil pessoas, segundo a polícia, se manifestaram em Atenas neste sábado contra a islamofobia, fascismo e o racismo.

Essas manifestações, programadas para várias semanas, ocorrem apenas um dia depois do massacre realizado pelo extremista de direita australiano Branton Tarrant em duas mesquitas em Christchurch (Nova Zelândia), que mataram 49 pessoas.

Na praça central de Omonia, uma enorme faixa com a inscrição "Não à islamofobia" liderou a manifestação de cerca de 700 pessoas, segundo a polícia.

"Aniquile os nazistas", "Segurança social gratuita para todos", "Tolerância zero ao ódio" podia ser lido em outros cartazes.

Uma segunda concentração de 300 pessoas, segundo a polícia, ocorreu no bairro multiétnico de Agios Panteleimonas, reunindo muitos imigrantes.

As duas manifestações se dirigem aos escritórios da representação da União Europeia na Grécia, perto da famosa Praça Syntagma, onde o Parlamento está localizado.

Em 2018, cerca de 48.000 refugiados ou imigrantes chegaram à Grécia.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.