Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Marcha do orgulho LGBT em Londres em 8 de julho de 2017

(afp_tickers)

Milhares de pessoas acompanharam, neste sábado, a marcha do orgulho LGBT nas ruas de Londres, celebrando o 50º aniversário da descriminalização da homossexualidade na Inglaterra e no País de Gales.

Os serviços de socorro londrinos (bombeiros, policiais e paramédicos) abriram o desfile, seguidos pelos 26 mil participantes e os carros de som.

Os organizadores fizeram isso para homenagear "seu compromisso e seu valor nos trágicos acontecimentos recentes".

Desde março, a capital britânica foi alvo de três atentados e um incêndio que deixou mais de 80 mortos.

Muitos agentes de segurança foram mobilizados para o desfile, que atravessou algumas das vias mais movimentadas de Londres, como Oxford Street, Piccadilly Circus e Trafalgar Square.

Celebrando a Lei de Infrações Sexuais, de 1967, os organizadores quiseram passar "uma mensagem de esperança, de reconhecimento, de ativismo e de amor", dirigida especialmente à "Irlanda do Norte, que ainda precisa reconhecer o casamento entre pessoas do mesmo sexo".

A primeira-ministra, Theresa May, que estava em Hamburgo, na Alemanha, para a cúpula do G20, expressou seu apoio à manifestação

"Devemos seguir defendendo uma verdadeira igualdade para todos e o respeito a cada um", disse em comunicado. "O Reino Unido tem a responsabilidade de promover os direitos das pessoas LGBT em nível internacional", completou.

Alguns ativistas, no entanto, afirmaram que a marcha perdeu seu caráter questionador. "Ela se tornou um evento comercial, burocratizado e regulado", lamentou o defensor de direitos humanos britânico Peter Tatchell, em coluna publicada pelo jornal The Guardian.

AFP