Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A ex-candidata à presidência Marina Silva, em Brasília, no dia 5 de abril de 2016

(afp_tickers)

A ex-candidata à presidência Marina Silva pediu nesta terça-feira à justiça eleitoral que acelere o exame do suposto financiamento ilegal da campanha à reeleição de Dilma Rousseff, em 2014, afirmando que uma nova votação para presidente é a melhor solução para superar a crise.

Marina considera a solução via Tribunal Superior Eleitoral (TSE) melhor que o impeachment promovido pela oposição no Congresso, que se aprovado deixará o vice-presidente, Michel Temer, no poder até 2018.

"Se comprovado que o dinheiro da corrupção alterou a vontade soberana da sociedade brasileira nas eleições, a saída, o caminho é uma nova eleição. Para que com legitimidade a sociedade brasileira possa repactuar as saídas para a crise que nos estamos vivendo".

"Se você tem um TSE com o sentido de urgência do que esta acontecendo, fizer o julgamento, cassar a chapa, convocar uma nova eleição, inclusive com base na estrutura das eleições municipais que já está pronta, que não custara nem um centavo a mais para os cofres públicos, você tem uma saída que é efetiva".

"O impeachment não é golpe, se comprovadas as denuncias, não e golpe. O que nós não podemos é golpear o futuro da nossa nação com aqueles que não estão querendo resolver a crise. Apenas a disputa do poder pelo poder".

AFP