Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Os maus hábitos alimentares podem ser responsáveis por mais de 400 mil mortes ao ano causadas por doenças cardíacas e relacionadas, disseram pesquisadores nesta quinta-feira

(afp_tickers)

Os maus hábitos alimentares podem ser responsáveis por mais de 400 mil mortes ao ano causadas por doenças cardíacas e relacionadas, disseram pesquisadores nesta quinta-feira.

O problema é duplo: os americanos estão consumindo comidas salgadas, gordurosas e açucaradas demais, e frutas, verduras e grãos integrais insuficientes, disseram especialistas em uma reunião da American Heart Association em Portland, Oregon.

"O baixo consumo de alimentos saudáveis como nozes, verduras, grãos integrais e frutas, combinado com uma maior ingestão de componentes pouco saudáveis na dieta, como o sal e as gorduras trans, é um fator importante nas mortes por doenças cardiovasculares nos Estados Unidos", disse o autor principal do estudo, Ashkan Afshin, professor de saúde global do Instituto de Medições e Avaliação de Saúde na Universidade de Washington.

As gorduras trans foram sendo eliminadas gradualmente, mas ainda podem ser encontradas em margarinas, biscoitos, sorvetes e outros alimentos industrializados.

"Nossos resultados mostram que quase metade das mortes por doenças cardiovasculares nos Estados Unidos pode ser evitada melhorando a dieta", disse Afshin.

O estudo se baseou em dados de diversas fontes que datam a partir da década de 1990, entre elas a pesquisa nacional sobre saúde e nutrição da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).

Ao examinar os dados sobre as mortes por doenças cardiovasculares nos Estados Unidos em 2015, os pesquisadores descobriram que as escolhas alimentares incidiram nas mortes de 222.100 homens e 193.400 mulheres.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP