Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Foto cedida pelo assessoria de imprensa do grupo xiita Hezbollah em 22 de julho de 2017 mostra combatente disparando contra posições militares em Jurud Arsal

(afp_tickers)

Um libanês que fazia a mediação entre o Hezbollah libanês xiita e os rebeldes extremistas sírios envolvidos em combates no leste do Líbano morreu neste sábado em confrontos, segundo a Agência Nacional de Informação (ANI).

Um dia antes, o Hezbollah, poderosa organização armada que combate junto com o governo de Bashar al-Assad na Síria, anunciou o lançamento de uma operação contra "terroristas armados" de ambos os lados da fronteira.

"Ahmad al-Fliti, que mediava entre homens armados e o Hezbollah [...], ficou ferido quando o seu veículo foi atingido por um obus de origem desconhecida em Yurud Aarsal", zona fronteiriça com a Síria, informou a ANI.

"Depois morreu por conta dos ferimentos", acrescentou.

O Exército libanês também informou sobre a morte de Fliti, personalidade muito conhecida na região de Aarsal, e afirmou que o obus foi disparado pela "organização terrorista Frente al-Nusra", ex-braço sírio da Al-Qaeda.

Os combates continuavam neste sábado.

O Exército libanês não anunciou oficialmente a sua participação na batalha, mas realiza operações de defesa desde sexta-feira.

Yurud Aarsal é uma região montanhosa onde estão implantados grupos extremistas sunitas procedentes da Síria e que acolhe em campos informais milhares de refugiados que fugiram da guerra nesse país.

O chefe do Hezbollah, Hasan Nasralá, advertiu os rebeldes, que qualificou de "ameaça para todo o mundo", e afirmou que "era hora de acabar com essa ameaça".

AFP