Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Piotr Verzilov (C), membro do grupo russo Pussy Riot, em Moscou, em 31 de julho de 2018

(afp_tickers)

Piotr Verzilov, membro do grupo Pussy Riot que está hospitalizado em Moscou desde terça-feira em estado grave, "recobrou a consciência" e saiu da unidade de cuidados intensivos, afirmou sua parceira, que assegura que ele foi "envenenado".

"Petya (Piotr) recobrou a consciência", mas continua tendo alucinações e delírios, declarou na sexta-feira à noite Veronika Nikulshina, também integrante deste grupo russo contestatório, ao site Meduza.

Piotr Verzilov, de 30 anos, foi internado na terça-feira após uma visita judicial. Dois dias depois foi transferido para a parte de tratamento intensivo de um famoso hospital do centro de Moscou, o Instituto Sklifossovsky.

Na sexta-feira, este centro qualificou o seu estado como "grave".

Anteriormente, Nikulshina assegurou ao Meduza que Piotr Verzilov havia sido envenenado. "Realmente é um envenenamento, com algo parecido com a atropina. Mas, neste caso, se trata de uma dose alta", declarou.

Por enquanto, nenhuma fonte oficial explicou o seu estado.

De acordo com Nikulshina, Piotr Verzilov começou a se sentir mal na terça-feira à tarde. "Durante a tarde começou a passar mal. Perdeu a visão, sua vista ficou escura", declarou na quinta-feira.

No Canadá, o primeiro-ministro Justin Trudeau manifestou a sua preocupação pelas informações sobre Piotr Verzilov, que também tem nacionalidade canadense.

Veronika Nikoulshina e Piotr Verzilov fazem parte dos quatro membros do Pussy Riot que invadiram o campo durante a final da Copa do Mundo usando uniforme de policiais. Forem condenados a 15 dias de prisão.

Piotr Verzilov é o fundador do site Mediazona, que informa sobre os julgamentos de defensores dos direitos humanos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP