Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Foto de arquivo da logomarca da Opep na sede da organização em Viena, em novembro de 2016

(afp_tickers)

Produtores de petróleo decidiram nesta terça-feira manter o acordo de reduzir a produção para pressionar uma recuperação do preço, anunciou a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

Um painel técnico com membros do cartel e outros produtores, como a Rússia, fizeram o anúncio após dois dias de reuniões em Abu Dhabi.

O acordo firmado em novembro passado prevê a redução da produção até março de 2018, na expectativa de que os estoques mais baixos levem a uma alta dos preços.

Depois de uma recuperação inicial imediatamente após o acordo, os preços do barril estagnaram abaixo de 50 dólares.

Como alguns exportadores produziram mais que o acordado, o mercado não confia plenamente na habilidade da Opep de manter o pacto.

Mas, nesta terça, o cartel disse que os países presentes no encontro "permanecem firmes em seu compromisso de manter" o acordo de novembro.

A reunião, acompanhada pela Rússia e Arábia Saudita, decidiu que os países "vão ajudar a facilitar a plena conformidade" com os cortes de produção, afirmou.

No mês passado, a Opep disse que havia "espaço para melhorar" o acordo e pediu para os países signatários manterem o pacto.

A nova reunião em Abu Dhabi tinha por objetivo "avançar ainda mais" na adesão aos cortes, disse a Opep nesta terça. Segundo o cartel, o encontro foi produtivo.

Emirados Árabes Unidos, Iraque, Cazaquistão e Malásia teriam expressado "apoio integral ao atual mecanismo de monitoramento" do acordo.

AFP