Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) As autoridades americanas haviam negado o acesso a vários estudantes de países de maioria muçulmana para participar da competição de robótica, em sintonia com a política mais severa em matéria de vistos adotada pelo governo do presidente Donald Trump

(afp_tickers)

Um grupo de meninas afegãs obteve o visto para participar de uma competição de robótica em Washington de 16 a 18 de julho, após ter sua entrada nos Estados Unidos vetada, informaram os organizadores do evento nesta quarta-feira.

"Agradeço muito ao governo americano por permitir que o Afeganistão, assim como Gâmbia, possam se unir a nós para a competição internacional deste ano", disse o presidente da organização First Global, Joe Sestak, destacando que equipes do Iêmen, Líbia e Marrocos também participarão.

As autoridades americanas haviam negado o acesso a vários estudantes de países de maioria muçulmana para participar da competição de robótica, em sintonia com a política mais severa em matéria de vistos adotada pelo governo do presidente Donald Trump.

Mas as críticas públicas envolvendo a ausência forçada das meninas afegãs levou Trump a orientar as autoridades a revisar sua posição, segundo a imprensa americana.

"Todas as 163 equipes, de 157 países, obtiveram vistos, incluindo Irã, Sudão e um time de refugiados sírios", assinalou Sestak.

Decretos anti-migratórios de Trump que entraram recentemente em vigor restringem o ingresso nos EUA de visitantes de Irã, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen.

Os visitantes procedentes de Afeganistão e Gâmbia não estão incluídos nestes decretos.

AFP