Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A Netflix continuou atraindo novos clientes no terceiro trimestre, especialmente fora dos Estados Unidos, o que parece indicar que sua estratégia de expansão no exterior está dando certo

(afp_tickers)

A Netflix continuou atraindo novos clientes no terceiro trimestre, especialmente fora dos Estados Unidos, o que parece indicar que sua estratégia de expansão no exterior está dando certo.

Em Wall Street, o papel deste serviço de streaming subiu 1,29% para fechar a 205,30 dólares nesta segunda-feira.

O grupo, que já ultrapassou a marca simbólica dos 100 milhões de assinantes em meados de 2017, já somou outros 5,3 milhões neste trimestre, sendo 4,45 milhões fora dos EUA, informou a Netflix nesta segunda-feira.

Os números superam as expectativas da própria empresa, que previa um crescimento de 4,4 milhões de assinantes.

Para o último trimestre do ano, Netflix prevê um lucro de 115 milhões de dólares nos Estados Unidos para um valor total de negócios em torno de 1,560 bilhão de dólares.

Quanto ao número de assinantes, Netflix pretende encerrar o ano com 116 milhões: "nosso crescimento é bom em todo o mundo e estamos bem posicionados para superar os 11 bilhões em vendas em 2017".

No terceiro trimestre, o valor dos negócios em todo o mundo cresceu 30% para se situar em 3 bilhões, acompanhando as previsões do grupo e superando levemente a avaliação dos analistas.

O lucro líquido foi de 130 milhões de dólares, com ganho de 29 centavos por ação.

O crescimento da Netflix se explica pelo "forte desejo por séries e filmes originais", declarou a empresa em carta aos acionistas.

Para o último trimestre, Netflix espera uma renda global de 3,270 bilhões de dólares, com lucro líquido de 183 milhões de dólares.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP