Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Símbolo do Mercosul em Mendonça, Buenos Aires, Argentina no dia 28 de junho de 2012

(afp_tickers)

Os países do Mercosul exortaram a Venezuela a garantir a separação de poderes e a respeitar o cronograma eleitoral previsto, e expressaram seu desejo de chegar a "uma solução positiva e democrática" no país caribenho, em uma declaração emitida neste sábado em Buenos Aires.

Os chanceleres da Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai emitiram o documento "tendo em conta a ruptura da ordem democrática na República Bolivariana da Venezuela", e pediram ao país que tome medidas "concretas e acordadas com a oposição para assegurar a efetiva divisão de poderes".

Os chanceleres do bloco instaram o governo de Nicolás Maduro a "respeitar o cronograma eleitoral", "garantir o pleno gozo dos direitos humanos, as garantias individuais", e a "libertar os presos políticos".

Com este chamado à consulta, se "lança um processo que poderia derivar na expulsão (da Venezuela), mas se busca um instrumento facilitador de uma solução positiva", explicou o chanceler brasileiro, Aloysio Nunes.

A chanceler da Argentina, Susana Malcorra, leu a declaração em uma coletiva de imprensa na Chancelaria argentina, junto com seus homólogos Eladio Loizaga (Paraguai), Rodolfo Nin Novoa (Uruguai) e Aloysio Nunes (Brasil).

A Argentina, que exerce a presidência temporária do Mercosul, convocou na sexta-feira de urgência os chanceleres do bloco para analisar a "grave situação institucional" do país caribenho.

"Estamos defendendo que seja cumprido o cronograma eleitoral, para as eleições de governadores, que foram adiadas (em 2016), de autoridades comunais, previstas para 2017, e as presidenciais de 2018", acrescentou a ministra argentina.

"Claramente vemos que houve uma intromissão sistemática do Tribunal Supremo de Justiça na Assembleia Nacional, a questão do desacato foi usada sistematicamente ao longo do tempo (...), isso mostra que a separação dos poderes, que é a essência da ordem democrática, não é cumprida", disse Malcorra.

- Solução positiva -

"É certo que (o governo venezuelano) decidiu voltar atrás em algumas decisões que foram tomadas, mas também é certo que se manteve o que tem a ver com o desacato. A separação dos poderes não está funcionando", insistiu Malcorra.

Nunes destacou que os países-membros do Mercosul pretendem "acompanhar com a esperança de que possamos dar uma solução positiva e democrática à crise da Venezuela", e que a "pedra de toque" do processo será a garantia de eleições no país.

O supremo tribunal venezuelano voltou atrás, neste sábado, em duas sentenças com as quais assumiu as faculdades do Parlamento, dominado pela oposição, e que concediam amplos poderes ao presidente Maduro.

A oposição afirmou que essas medidas não resolvem o que qualificaram de "golpe de Estado".

Em nome dos seus colegas, a ministra argentina destacou que "é fundamental que os instrumentos democráticos sejam ativados em tempo e forma" na Venezuela para que "o povo decida quem vai manejar seu destino".

Malcorra esclareceu que a aplicação da Cláusula Democrática no Mercosul, assim como da Carta Democrática na OEA "não implicam a expulsão do Estado envolvido".

A aplicação desses instrumentos "implica o acompanhamento de perto, a busca de soluções, um diálogo, uma contribuição, uma ajuda para assegurar que os princípios democráticos continuam totalmente vigentes", afirmou.

Durante o encontro, realizado em um hotel de Buenos Aires, houve manifestações a favor e contra o governo de Nicolás Maduro nas portas da Chancelaria.

Meia centena de ativistas de esquerda da Argentina fizeram um ato sob o slogan "Venezuela é Mercosul, não ao golpe", e cidadãos venezuelanos residentes em Buenos Aires se expressaram contra o regime chavista.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP