Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ac chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente americano, Barack Obama, pediram nesta quinta-feira que a Rússia "aja em relação aos separatistas no leste da Ucrânia" para que aceitem um cessar-fogo, de acordo com um comunicado do governo alemão.

Durante uma conversa por telefone, os dois líderes "destacaram a importância de um cessar-fogo rápido, que seja respeitado por ambas as partes" e, para isso, "a Rússia deve dar sua contribuição", explicou Berlim em um comunicado.

Merkel e Obama pedem ainda que "nenhum combatente" e "nenhuma arma" proveniente do território russo chegue à Ucrânia.

"A oportunidade de um cessar-fogo bilateral não deve ser deixada de lado mais uma vez", acrescenta a Chancelaria.

Nesta quinta-feira, o presidente ucraniano, Petro Porochenko, manteve sua "operação antiterrorista" no leste do país e rejeitou um eventual retorno ao cessar-fogo até que suas condições - em especial a retomada do controle da fronteira - sejam atendidas.

A Ucrânia impõe duas principais condições para uma trégua: o controle da fronteira, sob a vigilância da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE), e a libertação de "todos os reféns" por parte dos separatistas.

Já os insurgentes dizem estar prontos para realizar negociações indiretas, ou seja, apenas com a participação da Rússia.

Hoje, a chanceler Angela Merkel também conversou por telefone com o presidente francês, François Hollande. Na conversa, ambos reiteraram seu pedido a Vladimir Putin "para que intervenha junto aos separatistas" - informou Paris.

A conversa aconteceu depois do encontro dos ministros das Relações Exteriores de Ucrânia, Rússia, Alemanha e França, realizada na quarta-feira em Berlim. Os ministros convocaram para para este sábado, no mais tardar, uma reunião do grupo de contato com representantes da Rússia, da Ucrânia e da OSCE, e com a participação dos rebeldes.

AFP