Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Angela Merkel em 22 de setembro de 2017 em Munique, ao lado de Horst Seehofer, presidente da CSU

(afp_tickers)

Duas semanas após a sua estreita vitória eleitoral, Angela Merkel iniciou neste domingo (8) as negociações para formar um novo governo na Alemanha.

A chanceler se reuniu no início da tarde, em Berlim, com os principais líderes do seu Partido Democrata Cristão (CDU), incluindo o ministro das Finanças, Wolfgang Schäuble, e seus aliados conservadores bávaros da CSU, liderados por Horst Seehofer.

Objetivo: tentar pôr fim às divergências entre os dois movimentos irmãos, em particular a respeito da generosa política migratória de Angela Merkel, e chegar a um acordo sobre um programa comum para os próximos 4 anos. A tarefa é complicada.

As discussões podem durar até tarde da noite, de acordo com os participantes, e um acordo imediato é improvável.

A CSU, que representa a ala mais conservadora desta família política, apoiada pela direita da CDU, culpa a chanceler e sua política centrista ​​pelo desfecho decepcionante das eleições legislativas: uma vitória, mas com o pior resultado desde 1949 (32,9%).

E ao mesmo tempo, a extrema direita do AfD fez uma entrada espetacular na Câmara dos Deputados.

Fragilizada, Angela Merkel se viu forçada a tentar formar uma coalizão majoritária no Parlamento com os liberais e os ambientalistas.

- Plano em dez pontos -

De acordo com a imprensa alemã, o chefe da CSU trouxe para a discussão deste domingo um plano incluindo dez pontos.

No poder desde 2005, Merkel surpreendeu suas tropas na noite das eleições ao afirmar que não via razão para mudar sua política.

O plano da CSU responde: "aqueles que proclamam que devemos continuar como antes, não entenderam a situação e colocam em perigo a capacidade do partido de liderar o país".

Os bávaros exigem que o movimento também ocupe "seu lugar à direita do centro". E querem o estabelecimento de um limite anual para o número de migrantes, bem como uma "cultura de referência" alemã a ser adotada pelos recém-chegados.

Na ausência de acordo dentro da família conservadora, as negociações subsequentes programadas a partir de meados de outubro com liberais e ecologistas, que Angela Merkel formalizou no sábado, estarão condenadas ao fracasso.

Um dos líderes da CSU, Joachim Herrmann, reconheceu que "a situação não era fácil" entre os dois irmãos conservadores.

O líder dos Verdes, Cem Özdemir, convocou neste domingo as duas partes "a resolver rapidamente suas disputas" para "não bloquear durante semanas a formação de um governo", que já é "complicado o suficiente".

Em sinal de boa vontade, Angela Merkel deixou aberta a possibilidade de um compromisso sobre a principal reivindicação de seus aliados bávaros: o limite anual do número de migrantes aceitos no país. Um acordo pode ser alcançado com a CSU "sem que ninguém tenha que sair perdendo", disse ela.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP