AFP

O CEO da Microsoft, Satya Nadella, na abertura da conferência de desenvolvedores da empresa em Seattle, em 10 de maio de 2017

(afp_tickers)

A Microsoft divulgou na quarta-feira novas ferramentas tecnológicas para inserir a inteligência artificial (AI) no dia a dia, usando os recursos de computação em nuvem ("cloud") e dispositivos conectados.

"Estamos infundindo AI em cada produto e serviço que oferecemos", disse o vice-presidente da Microsoft responsável por este setor, Harry Shum, durante a conferência de desenvolvedores do grupo em Seattle.

"Estamos criando os blocos de construção para a atual onda de descobertas em AI ​​há mais de duas décadas", acrescentou.

A pesquisa da Microsoft tem se aprofundado em áreas como a aprendizagem de máquinas, reconhecimento de voz e habilitação de robôs para reconhecer o que eles "veem".

Os rivais da Microsoft, incluindo a Amazon, Apple, Google e IBM, têm perseguido agressivamente a promessa e o potencial da AI.

A inteligência artificial está se estabelecendo nas casas das pessoas, com assistentes pessoais respondendo perguntas e controlando dispositivos conectados, como eletrodomésticos ou lâmpadas.

Assistentes digitais já possuem recursos como lembrar as pessoas de compromissos anotados em calendários e aconselhá-las a sair mais cedo se o tráfego estiver intenso.

O alvo da Microsoft na quarta-feira foi empresas e desenvolvedores de softwares, sejam eles estudantes criando aplicativos ou equipes profissionais de tecnologia.

"A Microsoft está tentando usar a AI para que as empresas solucionem problemas de negócios e para desenvolvedores de apps melhorarem os aplicativos", disse Patrick Moorhead, analista principal da Moor Insights and Strategy.

"O que é diferente da Amazon, do Facebook e do Google, cujos modelos de negócio principais consistem em analisar informações pessoais usando a AI para vender coisas ou colocar anúncios na sua frente", acrescentou.

A Microsoft está adotando uma abordagem única ao permitir que os desenvolvedores personalizem comandos de gesto, reconhecimento de voz e muito mais em vez de enquadrá-los nas configurações da AI disponível no mercado, de acordo com o analista.

O CEO da Microsoft, Satya Nadella, que abriu a conferência de Seattle, destacou a necessidade de se construir confiança na tecnologia, dizendo que novas aplicações devem evitar os futuros distópicos temidos por alguns.

Executivos da Microsoft usaram demonstrações para fornecer um vislumbre de um futuro próximo no qual a inteligência artificial hospedada online funciona com dispositivos conectados à internet, como câmeras de canteiros de obras para alertar os trabalhadores sobre perigos, ferramentas disponíveis ou atividades não autorizadas.

Todas estas tecnologias que combinam servidores ligados a objetos, com frequência muito distantes, são chamadas de "computação de borda" (edge computing).

Segundo Nadella, cerca de 500 milhões desses dispositivos conectados funcionam hoje com o sistema operacional Windows 10 desenvolvido pelo grupo.

O software Office 365 tem cerca de 100 milhões de usuários comerciais por mês, e o assistente digital Cortana é usado por 140 milhões de pessoas.

"O futuro é uma nuvem inteligente", disse Nadella, prevendo um futuro em que assistentes digitais hospedados na computação em nuvem acompanharão os usuários de dispositivo em dispositivo.

AFP

 AFP