Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Cientistas do Instituto brasileiro Fiocruz libera mosquitos Aedes aegypti infectados com bactéria que previne o contágio da dengue, Zika e Chikungunya na Ilha do Governador no Rio de Janeiro

(afp_tickers)

Milhões de mosquitos Aedes aegypti inoculados com uma bactéria natural que parece reduzir o contágio dos vírus da dengue, zika e do chikungunya começaram a ser lançados nesta terça-feira no Rio de Janeiro pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

O projeto, que faz parte do programa australiano "Eliminar a dengue", começou a funcionar no fim de 2016 com a reprodução em grande escala do mosquito fêmea transmissor dessas doenças inoculado com a bactéria Wolbachia, comum em borboletas, libélulas e aranhas.

Atualmente, a Fiocruz consegue reproduzir 1,6 milhão desses mosquitos por semana e espera chegar em breve a três milhões.

Os mosquitos infectados são liberados com a ideia de que se reproduzam e transmitam a bactéria a gerações futuras. Os cientistas esperam paliar, deste modo, eventuais novas epidemias como a da zika, que colocou o Brasil em alerta em 2015 e cuja emergência nacional foi retirada apenas em maio passado.

"Descobrimos que quando o mosquito Aedes aegypti contém a Wolbachia, ela bloqueia, reduz a capacidade do mosquito de transmitir vírus como dengue, zika e chikungunya. A ideia é liberarmos esses mosquitos na natureza, [pois] eles vão cruzar com os mosquitos que estão em campo e passar a Wolbachia para esses como se estivessem imunizando os outros mosquitos e, com isso, a transmissão deve ser reduzida", explicou à AFP Luciano Moreira, responsável do projeto contra a dengue na Fiocruz.

Depois de constatar que os projetos piloto de 2014 foram bem-sucedidos, a fundação começou a lançar os mosquitos em Niterói, e nesta terça reforçou o seu programa na Ilha do Governador, com a intenção de continuar em outras áreas das zonas norte e sul da cidade até o fim de 2018.

A Fiocruz assegura que esses mosquitos não apresentam riscos para a saúde das pessoas nem para o meio ambiente.

O mesmo programa, liderado pela Universidade australiana de Monash, funciona em Queesland (Austrália), Medellín (Colômbia), Puducherry (Índia), Yogyakarta (Indonésia) e Nha Trang (Vietnã).

Este é somente um dos esforços feitos no Brasil para combater o mosquito que transmite esses três vírus, após o alarme desatado em 2015 pelo surto do então desconhecido zika, associado a um aumento de bebês nascidos com microcefalia.

A situação foi ainda mais delicada devido ao início dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro em 2016.

O Aedes aegypti é um mosquito muito adaptado à vida das cidades, que se reproduz em qualquer local com água parada. Muitos especialistas apontaram que o deficiente manejo destas águas no Brasil, a precariedade dos serviços de saúde e o armazenamento da água nas partes mais pobres do país também contribuíram para a explosão destes vírus.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP