AFP

Manifestação em Chicago em 1 de maio de 2017

(afp_tickers)

Milhares de pessoas foram às ruas em Chicago nesta segunda-feira em uma manifestação pelo 1 de Maio, contra as políticas do governo do presidente americano Donald Trump.

Os manifestantes representavam uma ampla variedade de setores e causas, incluindo ativistas de direitos dos imigrantes, de defesa do meio ambiente, sindicatos que exigem um salário mínimo mais alto e partidários dos direitos reprodutivos.

Os participantes carregaram bandeiras dos Estados Unidos e do México, além da bandeira do arco-íris, que representa os direitos dos homossexuais.

Grupos representantes de trabalhadores, funcionários da saúde, do setor de alimentação e professores, entre outros, pediram um aumento do salário mínimo.

Em Nova York, mais de 3.500 pessoas marcharam nesta segunda-feira, segundo estimativas da polícia. Ao grito de "Resist!" (Resita) e carregando cartazes com a frase "New York is for all" (Nova York é para todos) protestaram contra Trump e manifestaram a favor dos trabalhadores imigrantes em Foley Square, uma praza do sul de Manhattan.

O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, também compareceu rapidamente à manifestação e falou em defesa dos imigrantes.

Outras centenas de pessoas protestaram na Union Square.

Mais cedo, 12 pessoas foram detidas por desobediência civil em outro protesto que reuniu aproximadamente 500 pessoas em frente à sede do banco de investimentos JP Morgan Chase, informou a ONG de defesa dos imigrantes Make the Road New York.

Os manifestantes participavam em uma campanha que busca denunciar corporações que apoiam as políticas anti-imigração de Trump.

AFP

 AFP