Navigation

Milhares de indígenas colombianos se mobilizam até Bogotá para pressionar Duque

Indígenas colombianos se mobilizam para protestar contra a violência em seus territórios afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 14. outubro 2020 - 03:31
(AFP)

Milhares de indígenas colombianos que protestam contra o governo e a violência que sofrem em seus territórios se mobilizaram até Bogotá para pressionar por um encontro com o presidente da Colômbia, Iván Duque, anunciaram nesta terça-feira (13) seus líderes.

"Nossas autoridades falaram que vamos a Bogotá. Vamos à capital da República!", declarou Hermes Pete, membro do Conselho Regional Indígena do Cauca, em assembleia pública organizada em Cali.

O movimento de protesto chegou a esta cidade do sudoeste do país na segunda-feira, após percorrer a pé e de ônibus um trajeto desde o departamento vizinho de Cauca, uma das áreas mais afetadas pela investida de guerrilheiros e outros grupos financiados pelo tráfico de drogas.

Pete anunciou que os manifestantes iniciarão a viagem até Bogotá na quarta-feira, embora não tenha explicado como será feito o deslocamento.

Em Cali (distante 460 km da capital colombiana), os indígenas exigiram um encontro cara a cara com Duque para expor as denúncias sobre a violência e o descumprimento dos acordos de paz assinados em 2016 entre o governo colombiano e as ex-guerrilhas Farc.

No entanto, o presidente enviou à cidade uma delegação de vários ministros, que tentaram em vão chegar a algum consenso para desativar a mobilização contra o governo.

“Se (...) ele não aparecer em Bogotá, voltamos e entramos em ação”, alertou Pete, referindo-se aos bloqueios da rodovia Pan-americana que liga a Colômbia ao Equador.

Anteriormente, a missão governamental insistiu na oferta de diálogo e sublinhou a sua preocupação com o impacto que este tipo de manifestação poderia ter em meio à pandemia.

“Insistimos (...) em encontrar uma forma eficaz de avançar e resolver todas as propostas e solicitações”, disse Alicia Arango, Ministra do Interior, em comunicado à imprensa.

Na segunda-feira, enquanto milhares de indígenas se dirigiam a Cali, um ex-líder dessas comunidades, Fredy Güetio, e sua esposa, Reina Mera, foram mortos a tiros no município de Suárez, Cauca.

A organização que agrupa povos indígenas na Colômbia, a ONIC, denunciou pelo menos 167 homicídios de seus membros desde que Duque assumiu o poder em 7 de agosto de 2018.

Os indígenas representam cerca de 4,5% dos 50 milhões de habitantes da Colômbia.

O acordo de paz, que reduziu a violência política de mais de seis décadas no país, não conseguiu desarmar completamente o conflito armado, que se intensificou nas últimas semanas com dezenas de massacres.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.