Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Manifestantes marcham no centro de Londres, no dia 1º de julho de 2017

(afp_tickers)

Milhares de pessoas protestaram em Londres, neste sábado (1º), contra as medidas de austeridade propostas pelo governo conservador e pediram a renúncia da primeira-ministra Theresa May, após os desastrosos resultados nas eleições ocorridas no mês passado.

Os manifestantes caminharam até a sede da rede BBC, no centro de Londres, pedindo o fim das medidas de austeridade impostas pelo governo. Nas mãos, levavam cartazes com mensagens como "Fim da austeridade" e "Os cortes custam vidas".

Após um minuto de silêncio em homenagem às vítimas do incêndio na torre Grenfell, no qual pelo menos 80 pessoas morreram, a multidão aplaudiu os serviços de emergência e iniciou sua caminhada rumo ao Parlamento.

O líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, principal legenda da oposição, conversou com os manifestantes na tarde deste sábado (1º), diante do Parlamento.

Em seu discurso, argumentou que a política do governo é "brutal para os mais pobres".

Contando com o apoio dos sindicatos, o protesto foi convocado pela Assembleia do Povo, movimento britânico contra medidas de austeridade, um dia após o incêndio na torre Grenfell, ocorrido em 14 de junho. O episódio foi descrito como "o exemplo mais trágico entre as possíveis consequências da austeridade".

O financiamento dos serviços públicos - do Serviço Nacional de Saúde à Defesa Civil, passando pelas forças policiais - se tornou uma questão sensível no país, depois da sequência de tragédias em apenas três meses, incluindo a ocorrência de três atentados.

O governo de Theresa May deu os primeiros sinais de mudança na política de austeridade na última quarta-feira (28), ao indicar um possível aumento nos salários do serviço público.

AFP