Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Cerca de vinte militantes da causa curda entraram neste domingo na sede parisiense da Agência France-Presse (AFP) e lá permaneceram mais de uma hora para pedir a libertação de Abdulah Ocalan, líder do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK)

(afp_tickers)

Cerca de vinte militantes da causa curda entraram neste domingo na sede parisiense da Agência France-Presse (AFP) e lá permaneceram mais de uma hora para pedir a libertação de Abdulah Ocalan, líder do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) preso desde 1999 na Turquia.

Ao grito de "Libertem Ocalan", os manifestantes ergueram cartazes e fotografias do chefe do PKK.

Fora do edifício, várias dezenas de militantes se reuniram.

Depois de dialogar com os chefes de redação, os militantes deixaram a sede sem incidentes.

Abdulah Ocalan, liderança histórica do PKK, está há 18 anos na prisão de Imrali, na Turquia. Em 1999 foi condenado a morte e sua pena comutada a prisão perpétua.

Ocalan manteve negociações secretas com as autoridades turcas para chegar a um cessar-fogo, aplicado desde 2013. Mas a trégua perdeu efeito há cerca de um ano, e os combates foram retomados no sudeste da Turquia, região de maioria curda.

O conflito entre os rebeldes curdos e as Forças Armadas turcas deixou mais de 40.000 mortos desde 1984.

O PKK é uma organização considerada "terrorista" por Ancara, pela União Europeia e pelos Estados Unidos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP