Navigation

Militares guatemaltecos são condenados por crimes contra a humanidade

Os acusados Francisco Gordillo Martínez, Hugo Zaldana Rojas, Manuel Antonio Callejas e Edilberto Letona Linares afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 23. maio 2018 - 13:36
(AFP)

Um tribunal guatemalteco condenou nesta quarta-feira a penas de entre 33 e 58 anos de prisão quatro militares aposentados pelo desaparecimento forçado em 1981 do jovem Marco Antonio Molina Theissen e do estupro e tortura de sua irmã Emma Guadalupe.

Os crimes contra a humanidade ocorreram durante a guerra civil da Guatemala (1960-1996) e o juiz Pablo Xitumul proferiu a sentença contra o ex-comandante do Estado-Maior do Exército Benedicto Lucas e os também militares da reserva Hugo Zaldaña, Francisco Gordillo e Manuel Callejas.

Lucas, Zaldaña, Gordillo e Callejas foram condenados a 33 anos de prisão por crimes contra a humanidade e estupro com agravante pela humilhação contra Emma Guadalupe Molina Theissen.

Pelo desaparecimento forçado de seu irmão, Marco Antonio, todos os soldados, exceto Gordillo, foram condenados a 25 anos de prisão. O tribunal absolveu o quinto acusado, Edilberto Letona, das acusações.

A sentença foi decidida por unanimidade pelos três juízes que compõem o Tribunal de Maior Risco C, um dos responsáveis por revisar os casos de alto impacto social.

As forças armadas se mantiveram em silêncio após as sentenças contra os ex-comandantes militares e o porta-voz da instituição, Óscar Pérez, limitou0se a afirmar que o exército era "respeitoso da decisão dos órgãos jurisdicionais".

O tribunal considerou que os militares agiram contra civis e extrapolaram a doutrina de combater grupos insurgentes durante o conflito armado.

Dezenas de ativistas, que esperaram quase 14 horas para ouvir o veredicto, aplaudiram a decisão, enquanto familiares e amigos dos militares gritaram em favor dos condenados.

Molina Theissen foi sequestrado por uma unidade do Exército na residência de seus pais, na Cidade da Guatemala, em 6 de outubro de 1981, quando ele tinha 14 anos. Ele segue desaparecido.

O sequestro foi cometido um dia depois que sua irmã escapou de um quartel militar no oeste do país, onde foi torturada e estuprada em várias ocasiões por soldados.

"Quero dizer aos senhores acusados que lhes devolvo a vergonha, que lhes devolvo o terror (...). Oxalá que tenham um pouquinho de honra e nos digam onde está Marco Antonio", afirmou na segunda-feira, durante a fase final do processo, Emma Guadalupe sobre seu irmão.

Ao mesmo tempo, os militares da reserva rebateram as acusações e afirmaram que o julgamento tinha por objetivo obter uma indenização econômica, o que a família negou.

Benedicto Lucas, irmão do falecido ex-presidente Romeo Lucas (1978-1982), e os outros acusados foram detidos em janeiro de 2016 e há um ano um juiz ordenou o julgamento.

Por ordem da Corte Interamericana de Direitos Humanos, o Estado guatemalteco pediu perdão - em novembro 2006 - pelo desaparecimento do menor.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.