Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Trump surpeendeu chefes do Pentágono em julho, ao anunciar pelo Twitter a restrição ao serviço de pessoas transgênero "em qualquer Força", revertendo um plano lançado por seu antecessor, Barack Obama, que previa a aceitação de recrutas transgênero entre os militares

(afp_tickers)

O pessoal transgênero do Exército americano poderá continuar servindo e se alistar no ano que vem, enquanto o Pentágono decide como implementar a proibição determinada por Donald Trump, informou um porta-voz da Defesa nesta sexta-feira.

Trump surpreendeu em julho, ao anunciar no Twitter que as pessoas trans não poderão mais servir em nenhuma Força, voltando atrás no plano aprovado por seu antecessor, Barack Obama.

O porta-voz do Pentágono, coronel Rob Manning, disse que o secretário americano da Defesa, Jim Mattis, havia ordenado aos altos funcionários que elaborassem um plano para implementar a proibição de Trump, mas este não deve ser apresentado ao presidente antes de 21 de fevereiro de 2018.

"O plano de implementação estabelecerá as normas políticas e os procedimentos para encarar o serviço militar por parte de indivíduos transgênero... consistente com a preparação militar, a mortalidade, o deslocamento e as limitações orçamentárias e a legislação aplicável", explicou Manning a jornalistas.

O porta-voz afirmou que a política da era Obama que permitia aos transexuais servir e receber tratamento médico seria mantido por enquanto.

"Os membros transgênero do serviço, cujo término se dá enquanto as (atuais) diretrizes estão em vigor poderiam voltar a se alistar sob os procedimentos existentes", acrescentou.

O veto aos transgêneros de Trump já motivou várias ações legais.

A rede LGBT de pessoal militar OutServe-SLDN, que tenta combater a discriminação no Exército, e os defensores dos direitos civis Lambda Legal, apresentaram uma ação e na quinta-feira, o almirante reformado Mike Mullen, ex-chefe de Estado maior conjunto, manifestou seu apoio.

"O julgamento militar prévio neste assunto não deveria ser ignorado e não deveríamos romper a fé dos membros do serviço que defendem nossa liberdade, inclusive aqueles que são transexuais", disse, em uma declaração.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP