Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A ministra da Justiça francesa, Nicole Belloubet, chega ao palácio do Eliseu, em Paris, no dia 18 de outubro de 2017

(afp_tickers)

A ministra francesa da Justiça confirmou nesta quarta-feira (8) que teme uma "tentativa de suicídio" de Salah Abdeslam, o único membro dos comandos extremistas que atacaram Paris em 13 de novembro de 2015 ainda vivo, preso em regime de isolamento.

Indiciado por assassinatos terroristas, Salah Abdeslam é apontado como um personagem essencial na preparação e realização dos ataques, que deixaram 130 mortos e centenas de feridos, mas até agora o prisioneiro de 28 anos manteve-se em silêncio.

Perguntada sobre se existe medo de uma tentativa de suicídio, Nicole Belloubet respondeu afirmativamente ao canal de televisão LCI, acrescentando que também teme que o acusado "se afunde em um profundo distúrbio psíquico".

"Estamos fazendo tudo para tornar impossível" a tentativa de suicídio, afirmou, explicando que é vigiado 24 horas por dia por meio de câmeras de segurança em sua cela.

"Nossa obsessão é que se apresente em seu julgamento", explicou a ministra, indicando que a data deste julgamento na França ainda não foi determinada.

Ela também detalhou as condições de "flexibilização" da detenção de Salah Abdeslam: "Ele foi colocado em absoluto isolamento, isto é, sem qualquer ruído do exterior, sem visão do lado de fora (...) 'relaxar' esse regime significa apenas desobstruir uma janela, permitir um contato, o de apenas ouvir, possível com o mundo exterior".

Finalmente, Nicole Belloubet afirmou que a França "estuda as condições de segurança para levá-lo à Bélgica, onde deve ser julgado em dezembro ou janeiro".

Na Bélgica ele responde por "tentativa de assassinato em um contexto terrorista contra vários policiais" em 15 de março de 2016, três dias antes da sua prisão.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP