Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Maio) O ministro Temístocles Montás em um tribunal de Santo Domingo

(afp_tickers)

Um juiz da República Dominicana decretou nesta quarta-feira a prisão preventiva do ministro de Indústria e Comércio, Temístocles Montás, e de outros sete envolvidos no escândalo de subornos pago pela construtora Odebrecht.

O grupo deverá permanecer em prisão preventiva até o início de seu julgamento, determinou o juiz Francisco Ortega.

Montás e os ex-legisladores Andrés Bautista e Ruddy González cumprirão uma preventiva de seis meses, enquanto o ex-ministro de Obras Públicas Víctor Díaz Rúa e o advogado Conrado Pittaluga permanecerão nove meses na prisão.

O empresário Ángel Rondón, representante comercial da Odebrecht na República Dominicana entre 2001 e 2014, suposto encarregado da distribuição dos subornos, cumprirá um ano de prisão preventiva na penitenciária de La Victoria, a mais congestionada do país.

Já os ex-funcionários do setor elétrico César Sánchez e Máximo De Óleo ficarão detidos por três meses.

Os legisladores Julio César Valentín, Tommy Alberto Galán e Alfredo Pacheco, que têm imunidade parlamentar, deverão pagar uma fiança de cinco milhões de pesos (100 mil dólares), se apresentar periodicamente ao juiz, e não se ausentar do país.

O Ministério Público acusa o grupo de corrupção, organização criminosa, prevaricação, enriquecimento ilícito e lavagem de dinheiro, entre outros crimes.

Ortega deu o prazo de seis meses para que o Ministério Público conclua a investigação.

Segundo a própria Odebrecht, a República Dominicana foi o terceiro país onde o grupo mais pagou subornos em troca de obras públicas, totalizando 92 milhões de dólares, atrás apenas do Brasil e da Venezuela.

Os 14 denunciados aparecem em depoimentos de cinco executivos da Odebrecht ao Ministério Público Federal do Brasil.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP