Navigation

Missão da OEA lamenta curta campanha e escasso debate no referendo peruano

Uma mulher vota em centro de votação em Ollantaytambo, na província de Urubamba, na região de Cusco, no Peru, em 9 de dezembro de 2018 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 10. dezembro 2018 - 23:29
(AFP)

Uma Missão da OEA que observou o referendo peruano destacou nesta segunda-feira (10) o "resultado esmagador" da votação de domingo, "sem nenhuma indicação de fraude", mas lamentou que a campanha tenha sido curta e o debate, escasso.

Peruanos aprovaram no referendo o fim da reeleição de parlamentares e a regulação do financiamento de partidos políticos, entre outras reformas constitucionais propostas pelo presidente Martín Vizcarra para combater a corrupção.

"A Missão observou que o debate público sobre os projetos de reforma submetidos à votação dos cidadãos foi limitado, e nos meios de comunicação (...), a campanha a favor e contra cada uma das propostas foi praticamente nula", indicou a Missão em seu relatório preliminar, lido diante da imprensa por seu chefe, o dominicano Mirou Tavárez Mirabal.

Gerardo de Icaza, outro membro da Missão, composta por 14 funcionários e especialistas, assinalou que não há sinais de "fraude" na votação, apesar das denúncias de alguns políticos oposicionistas peruanos.

"Absolutamente não temos nenhuma indicação de fraude e, ao contrário, o que o relatório destacou é um resultado contundente da votação", disse De Icaza, em referência ao fato de que três propostas foram confirmadas por cerca de 80% dos peruanos e outro foi rejeitado por uma porcentagem similar.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.