Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes Ferreira, e Sandra Honore, representante especial da ONU e diretora da Missão das Nações Unidas para a estabilização do Haiti (Minustah)

(afp_tickers)

O Brasil considera que a missão da ONU no Haiti, sob o comando brasileiro desde sua instalação, em 2004, "foi um sucesso", declarou nesta sexta-feira o chanceler Aloysio Nunes.

"Estamos muito orgulhosos do papel que tivemos nestes treze anos. A missão, realizada sob a coordenação das Nações Unidas, foi um sucesso. O país é mais estável do que era em 2004", declarou Aloysio Nunes à AFP na base do batalhão brasileiro em Porto Príncipe.

A missão da ONU para a estabilização do Haiti (Minustah) foi criada em 2004, após a saída do presidente Jean-Bertrand Aristide, para ajudar a conter a violência registrada principalmente na capital, mas nunca conquistou a confiança dos haitianos.

Criada neste contexto de tensão política, a missão sempre foi percebida como um exército de ocupação pelos partidários de Aristide. A aversão à força internacional se intensificou após os escândalos envolvendo crimes sexuais e membros da Minustah.

"Houve crimes, e também punições, investigações: os crimes não ficaram sem consequências", declarou Aloysio Nunes respondendo às críticas de organizações civis do Haiti.

Em abril, o Conselho de Segurança da ONU decidiu acabar com a missão das forças de paz no Haiti, que será encerrada no dia 15 de outubro.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP