Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A ministra da saúde da Espanha, Mercedes Vinuesa (2d), e o diretor de atenção primária à saúde da região de Madri, Antonio Alemany (2e), em uma coletiva de imprensa depois do retorno ao país do missionário espanhol Miguel Pajares, infectado com o vírus ebola na Libéria

(afp_tickers)

O missionário espanhol Miguel Pajares, infectado com o vírus ebola na Libéria, retornou nesta quinta-feira a Madri, a bordo de um avião militar, e se tornou o primeiro paciente da doença a ser repatriado para a Europa.

Na aeronave também estava a freira guineana com passaporte espanhol Juliana Bohi, que prestava atendimento a Pajares. O resultado do exame da religiosa deu resultado negativo para o ebola, segundo o ministério da Defesa.

Os dois foram levados para o hospital Carlos III, especializado em doenças tropicais e que foi preparado para receber os dois pacientes em ambientes isolados para impedir o contágio.

O missionário espanhol começou a receber tratamento em uma área isolada em um hospital de Monróvia administrado por uma ONG vinculado a sua ordem religiosa, a Ordem Hospitalar de São João de Deus.

O ebola já matou 932 pessoas no continente africano desde março, segundo o balanço mais recente da Organização Mundial da Saúde (OMS).

De acordo com a organização, até 4 de agosto o ebola infectou 1.711 pessoas em quatro países da África Ocidental (Guiné, Libéria, Serra Leoa e Nigéria).

AFP