Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Ampolas de exame de sangue são vistas em Paris, no dia 6 de julho de 2012

(afp_tickers)

Uma proteína que se acumula no sangue estaria ligada às perdas de memória e dificuldades de aprendizado nas pessoas mais velhas, segundo pesquisas norte-americanas que abrem novas perspectivas sobre os meios de combater o declínio cognitivo.

A molécula, chamada B2M (acrônimo de beta2-microglobulina) foi identificada pelos pesquisadores da Universidade da Califórnia em São Francisco como um elemento do sangue que "influencia negativamente as funções cognitivas e suas regenerações" no adulto, segundo artigo publicado na revista Nature.

As concentrações de B2M são mais "elevadas" no sangue das pessoas idosas. O mesmo foi observado nos ratos utilizados na pesquisa, submetidos a diversos experimentos.

Num destes experimentos, a injeção de doses de B2M no sangue ou diretamente no cérebro dos ratos ainda jovens causou danos às funções de aprendizagem e memória e reduziu o processo de renovação dos neurônios.

A ação desta molécula não parece durar já que após 30 dias das injeções, o déficit de aprendizagem e de memória induzidos não estavam mais aparentes.

Isso "sugere que os efeitos da proteína no declínio cognitivo são potencialmente reversíveis", segundo a Nature.

"Nós estamos entusiasmados com os resultados, já que mostram meios potenciais de reverter os problemas cognitivos ligados ao envelhecimento", explicou em entrevista à AFP um dos principais autores do artigo, Saul Villeda da universidade californiana.

O envelhecimento é associado a uma queda progressiva da função cognitiva e ao retardo progressivo do processo de renovação dos neurônios no cérebro.

"O envelhecimento continua sendo o principal fator de risco para as doenças neurodegenerativas do tipo demência, como o mal de Alzheimer", lembraram os pesquisadores no comunicado.

"Também se faz necessário conhecer melhor o mecanismo que conduz ao envelhecimento do cérebro para tornar o cérebro menos vulnerável às disfunções cognitivas", continuaram.

De acordo com a pesquisa, a B2M é uma proteína do corpo humano implicada no mecanismo de imunidade que foi encontrada em concentrações elevadas entre as pessoas que sofrem de demência senil, e seria o início de uma nova resposta.

Num outro teste, os mesmos cientistas conseguiram eliminar por meios genéticos a molécula B2M nos ratos de laboratório.

Eles então "constataram que os ratos mais velhos desprovidos da B2M não sofriam com a perda de memória", explicou Saul Villeda.

Uma próxima etapa consiste em desenvolver uma molécula para bloquear os efeitos da proteína B2M ou para eliminá-la do sangue das pessoas mais velhas.

AFP