Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Destroços do avião da Malaysia Airlines derrubado em Lugansk, Ucrânia, em foto de 2 de agosto

(afp_tickers)

Investigadores da Holanda, Austrália e Malásia que se encontram no local do acidente do voo MH17 no leste da Ucrânia, estão contando com a ajuda de moradores locais para encontrar os restos mortais e os objetos das vítimas, informou o ministério da Justiça da Holanda nesta quarta-feira.

"Moradores têm sido chamados para ajudar a localizar os restos mortais e pertences pessoais (dos passageiros). Eles também estão tendo a oportunidade de contar o que viram e o que sentiram durante o desastre", afirmou o ministro em comunicado divulgado em Haia.

Panfletos foram distribuídos para Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) nesta quarta-feira a moradores de Rozsypne, perto da área onde a maior parte dos destroços foi encontrada.

A investigação das causas da queda do avião da Malaysia Airlines continua em condições difíceis, informou na última terça-feira Pieter-Jaap Aalbersberg, chefe da missão policial da Holanda na Ucrânia.

Um total de 298 passageiros e tripulantes morreram com a queda do Boeing 777, que voava de Amsterdã a Kuala Lumpur há três semanas.

Os Estados Unidos afirma que insurgentes no leste da Ucrânia abateram o avião com um míssil terra-ar possivelmente fornecido pela Rússia. No entanto, Moscou e os rebeldes culpam as forças do governo ucraniano pelo acidente.

Na segunda-feira, especialistas da Malásia contribuíram pela primeira vez com a polícia da Holanda e da Austrália nas buscas.

Até o momento, 228 corpos foram mandados para a Holanda, que conta com o maior número de vítimas do acidente do dia 17 de julho.

AFP