Navigation

Morales é reeleito presidente da Bolívia

O presidente da Bolívia, Evo Morales, participa de entrevista coletiva em La Paz afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 24. outubro 2019 - 22:18
(AFP)

A apuração online do Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) dá a vitória ao presidente boliviano, Evo Morales, sobre o opositor Carlos Mesa, no primeiro turno das eleições realizadas no domingo, após a apuração de 99,81% dos votos.

Segundo o site do TSE, Morales obteve 47,06% dos votos, contra 36,52% para Mesa, o que garante sua reeleição.

Os números incluem os votos válidos dos eleitores na Bolívia e dos bolivianos disseminados em 33 países del mundo.

O resultado já era seriamente questionado por diversos setores bolivianos, que paralisaram várias cidades do país.

Uma aliança opositora formada em torno de Carlos Mesa exige a convocação "imediata" de um segundo turno eleitoral.

As denúncias de fraude surgiram após um primeiro resultado do sistema de apuração rápida (TREP), sobre 84% dos votos, que indicava um segundo turno entre Morales e Mesa. Após a divulgação destes números, o sistema foi paralisado durante muitas horas e retornou indicando uma vitória direta do presidente.

Morales se declarou nesta quinta-feira vencedor das eleições em entrevista coletiva, mas admitiu a possibilidade de disputar um segundo turno, caso o resultado final do TSE assim o determinasse, o que finalmente não ocorreu.

A União Europeia (UE) somou-se nesta quinta-feira ao pedido da Organização dos Estados Americanos (OEA) para que se realize um segundo turno entre Morales e Mesa, visando restabelecer a confiança no processo eleitoral.

"A União Europeia compartilha plenamente da avaliação da OEA no sentido de que as autoridades bolivianas deveriam concluir o processo de contagem em curso e que a melhor opção seria realizar um segundo turno para restabelecer a confiança e assegurar o respeito pleno à escolha democrática do povo boliviano", declarou em um comunicado a porta-voz da diplomacia europeia, Maja Kocijancic, distribuído em La Paz.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.