Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente boliviano, Evo Morales, em Cochabamba, no dia 7 de junho de 2016

(afp_tickers)

O presidente boliviano, Evo Morales, acusou nesta quinta-feira (30) a emissora americana CNN e um de seus jornalistas de "conspiração" contra seu governo por ter entrevistado um suposto filho seu com sua ex-esposa Gabriela Zapata.

"Que os povos do mundo saibam como a CNN conspira contra presidentes e governos anti-imperialistas. Eu sempre disse que a CNN é porta-voz do império, porta-voz do sistema capitalista e lamento muito que alguns irmãos jornalistas se prestem a crimes", denunciou o presidente, em coletiva de imprensa.

"A CNN com seu apresentador Fernando del Rincón e os operadores dessa entrevista são coautores dos seguintes crimes: apologia pública de um delito, associação criminosa, acobertamento e cumplicidade", afirmou.

Com ares de novela, a existência do filho do presidente agitou a Bolívia em fevereiro passado, quando foi revelado seu nascimento. Morales reconheceu que a criança nasceu em 2007, quando ele já ocupava o cargo, mas que teria morrido logo depois. Até recentemente, sua ex-mulher insistia em que ele continuava vivo.

O Ministério Público e o vice-presidente Álvaro García garantiram que a criança nunca existiu, e Zapata confirmou, no início de junho, que o menino morreu e culpou um dos advogados pela ideia.

AFP