Navigation

Morales alerta para adiamento das eleições na Bolívia

O ex-presidente da Bolívia Evo Morales durante coletiva de imprensa em Buenos Aires, 21 de fevereiro de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 20. abril 2020 - 17:28
(AFP)

O ex-presidente boliviano Evo Morales se manifestou contra o possível adiamento para 2021 das eleições de seu país, insinuando que seus opositores estariam se "aproveitando" da pandemia.

"Seria um erro grave fazer outra convocação. Seria fatal. Não sei se o povo vai suportar isso até o próximo ano. Um governo de transição tem que garantir as eleições o mais rápido possível. A isso se chama governo de transição", afirmou Morales nesta segunda-feira à AFP.

"Eles pediram para adiar as eleições usando (a pandemia do) o coronavírus. O coronavírus caiu como uma luva para que a direita possa adiar (as eleições)", acrescentou.

A Bolívia, atualmente em quarentena, planejava realizar eleições em 3 de maio, após o cancelamento das eleições de 20 de outubro de 2019, nas quais Morales optou pelo quarto mandato.

De acordo com uma pesquisa realizada em meados de março pela agência de pesquisa Ciesmori, o candidato do Movimento para o Socialismo (MAS), Luis Arce, herdeiro político de Evo Morales, lidera as intenções de votos com 33,3%, seguido pelo ex-presidente centrista Carlos Mesa com 18,3% e a presidente provisória Jeanine Áñez com 16,9%.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.