Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Os presidentes do Uruguai, José Mujica (e), e da Bolívia, Evo Morales. Metade das exportações da Bolívia é destinada ao Mercosul.

(afp_tickers)

O presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou neste domingo que participará da cúpula do Mercosul, na próxima terça-feira em Caracas, e elogiou seu colega uruguaio, José Mujica.

"Amanhã (segunda) vou viajar para a Venezuela, teremos reunião do Mercosul", anunciou Morales em uma coletiva de imprensa. A Bolívia é um país observador no bloco, e está em processo para tornar-se membro pleno.

Para que isso aconteça, "falta a aprovação dos congressos dos distintos países que compõem o Mercosul", explicou.

Os parlamentos de Argentina e Uruguai já confirmaram a incorporação, restando Brasil, Paraguai e Venezuela.

Metade das exportações da Bolívia é destinada ao Mercosul, e o país tem quase dois terços de suas fronteiras com Argentina, Brasil e Paraguai.

O presidente boliviano aproveitou para saudar seu colega Mujica pelo apoio do Congresso uruguaio à entrada da Bolívia no bloco.

"Mujica é um pai, um avô em temas ideológicos", destacou. "Minha irmã Esther não quer escutar Evo, mas escuta Mujica", disse.

"Meu respeito, minha admiração, porque não somente se ocupa de seus vizinhos sul-americanos, mas também da vida e da humanidade, pela sua experiência", elogiou Morales.

Mujica ofereceu em junho à Bolívia e ao Paraguai, países sem saída para o mar, o uso preferencial do porto de águas profundas de Rocha - ainda a ser construído - para facilitar seu comércio.

AFP