Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O constitucionalista e ex-candidato presidencial Carlos Gaviria, no dia 28 de maio de 2006, em Medellín, Colômbia

(afp_tickers)

O constitucionalista e ex-candidato presidencial Carlos Gaviria, figura de destaque da esquerda na Colômbia, morreu na terça-feira em Bogotá aos 77 anos, disseram fontes de seu partido.

Gaviria, responsável pela maior votação da esquerda em uma eleição presidencial na história da Colômbia e respeitado ex-presidente do Tribunal Constitucional, havia sido hospitalizado de urgência no dia 14 de março na Fundação Santa Fe devido a um problema respiratório.

"Morreu um grande homem colombiano. Carlos Gaviria, professor da Democracia", escreveu em sua conta no Twitter o ex-guerrilheiro Gustavo Petro, prefeito de Bogotá e membro de seu partido, o Polo Democrático Alternativo (PDA).

Já o presidente de centro-direita Juan Manuel Santos prestou homenagem ao homem considerado por ele "um grande jurista e colombiano".

"Enorme perda para o país. Condolências para seus familiares", tuitou Santos.

Gaviria surpreendeu muitos no ano passado ao anunciar publicamente seu apoio a Santos nas últimas eleições, nas quais o chefe de Estado foi reeleito até 2018.

Nascido em 8 de maio de 1937 em Sopetrán, um município próximo a Medellín, Gaviria aspirou pelo PDA à Presidência para o período 2006-2010, quando Álvaro Uribe foi reeleito.

Nestas eleições ficou em segundo lugar, mas conseguiu fazer com que a esquerda obtivesse uma histórica votação (2,6 milhões de votos), uma conquista que o converteu em líder do PDA, grupo que presidiu até 2009.

Gaviria, um advogado especializado na Universidade de Harvard nos anos setenta, atuou como político, mas também como jurista, professor e defensor dos direitos humanos.

AFP