Navigation

Morre o músico Johnny Winter, ícone do blues do Mississipi

Johnny Winter se apresenta no New Orleans Jazz and Heritage Festival, em 25 de abril de 2009 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 17. julho 2014 - 17:51
(AFP)

O guitarrista e cantor de blues americano Johnny Winter, uma das lendas do Festival de Woodstock e que marcou o blues com sua voz áspera, faleceu na quarta-feira, em Zurique (Suíça), aos 70 anos.

Durante toda a sua carreira, Johnny Winter, um albino com o corpo coberto de tatuagens, manteve viva a chama do blues texano.

Nascido em 23 de fevereiro de 1944 em Beaumon (Texas), em meio a uma família de músicos, seu verdadeiro nome era John Dawson Winter III.

Aos cinco anos de idade já tocava clarinete, antes de ser iniciado na guitarra.

Montou um primeiro grupo com seu irmão mais novo Edgar, também albino, com quem gravou seu primeiro álbum, "School Day Blues", aos 15 anos.

Apesar das fortes tensões raciais da época, nunca hesitou em frequentar os barros negros para escutar música.

A música de Johnny Winter foi, na maioria das vezes, concebida como uma orquestração clássica (guitarra, baixo, bateria e vocal) e tem suas raízes no delta do Mississippi e o blues de Chicago.

Seus professores foram Elmore James, Johnny Lee Hooker e, sobretudo, Muddy Waters, com quem estabeleceu fortes laços de amizade, chegando a considerá-lo como um pai espiritual.

A fama veio no final dos anos 60, depois de um elogioso artigo da Rolling Stone que atraiu a atenção do prestigiado selo Columbia.

Johnny Winter faz turnês pelos Estados Unidos, tocou no festival de Woodstock em 1969 e fundou o Johnny Winter And, um grupo com Rick Derringer, um outro guitarrista famoso da história do rock.

Sua carreira foi interrompida por causa de problemas com drogas, antes de voltar aos palcos em 1973 com o álbum "Still alive and well" ("Ainda estou vivo e bem").

O músico morreu em 16 de julho no quarto de um hotel da cidade suíça. Sua esposa, familiares e integrantes de seu grupo manifestaram a dor pela perda de "uma pessoa querida e um dos melhores guitarristas do mundo", segundo um breve comunicado postado na página oficial do artista no Facebook. As causas exatas da sua morte são desconhecidas.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.