AFP

Uma turista romena de 31 anos que ficou ferida no atentado de 22 de março nas imediações do Parlamento britânico morreu nesta sexta-feira, anunciou a polícia, o que eleva o balanço do ataque a cinco vítimas fatais, além do criminoso

(afp_tickers)

Uma turista romena de 31 anos que ficou ferida no atentado de 22 de março nas imediações do Parlamento britânico morreu nesta sexta-feira, anunciou a polícia, o que eleva o balanço do ataque a cinco vítimas fatais, além do criminoso.

Andreea Cristea, 31 anos, visitava Londres com o namorado Andrei Burnaz, que pretendia fazer o pedido de noivado no dia do atentado, informou o embaixador romeno Dan Mihalache.

Ela foi atropelada pelo criminoso na ponte de Westminster e resgatada no rio Tâmisa.

Diante da gravidade de seu estado, na quinta-feira a equipe médica desligou os aparelhos que mantinham Andreea com vida, explicou a polícia.

"Não há palavras para descrever a dor esmagadora e o vazio em nossos corações", afirma um comunicado divulgado por sua família e namorado.

"Depois de lutar por sua vida durante duas semanas, nossa querida e insubstituível Andreea - filha, irmã e parceira maravilhosa, amiga dedicada e a pessoa mais singular e apaixonada pela vida que você possa imaginar - foi arrancada cruelmente e brutalmente de nossas vidas do modo mais impiedoso", completa o comunicado.

"Andreea, infelizmente, não poderá utilizar o dinheiro arrecado para sua recuperação. Nós gostaríamos de doar para a caridade", informa a nota.

O falecimento da romena eleva a cinco o número de mortos no atentado cometido por Khalid Masood, de 52 anos, um convertido ao islã que tinha ficha na polícia e que atropelou várias pessoas que atravessavam a ponte diante do Big Ben antes de esfaquear e matar um policial que trabalhava na segurança do Parlamento.

Masood foi morto a tiros pela polícia.

As vítimas do atentado foram o britânico Leslie Rhodes, 75 anos, a britânica Aysha Frade, 44, o turista americano Kurt Cochran, 54, a romena Cristea e o policial Keith Palmer, 48 anos.

AFP

 AFP