AFP

Ante estes números, a NOAA iniciou um programa que busca determinar a origem deste aumento da mortalidade

(afp_tickers)

As autoridades federais dos Estados Unidos investigam uma mortalidade incomumente elevada de baleias-jubarte desde o ano passado na costa atlântica do país.

"Observamos um crescimento anual importante da mortalidade das baleias-jubarte a partir de 1 de janeiro de 2016, e esse fenômeno continua em 2017, elevando para 41 o número destes cetáceos encontrados mortos nas costas" do Maine e da Carolina do Norte, disse nesta quinta-feira Mendy Garron, cientista da NOAA, a agência oceânica e atmosférica dos Estados Unidos.

Ante estes números, a NOAA iniciou um programa que busca determinar a origem deste aumento da mortalidade.

O número "normal" de baleias-jubarte encontradas mortas nas costas entre o Maine e a Carolina do Norte é de cerca de 14 por ano, afirmou Deborah Fauquier, veterinária do escritório de proteção de recursos de pesca da NOAA.

Em 2016, 26 exemplares ficaram encalhados nas praias desta região, e 15 em 2017.

Entre as 20 baleias mortas já examinadas por veterinários e outros cientistas da agência, dez morreram devido a colisões com navios, dado que apresentavam marcas de traumatismos graves, como ossos quebrados ou hélices no corpo.

Este número também é alto em comparação com a média registrada até agora de mortes de baleias em colisões com barcos, de 1,4 por ano.

A NOAA exige que as embarcações se mantenham a uma distância de ao menos 30 metros das baleias que são protegidas.

As outras dez baleias "não tinham nenhum sinal de doenças infecciosas", de modo que suas mortes continuam sem explicação, acrescentou Garron.

A maioria das populações de baleias-jubarte foram retiradas da lista de espécies em perigo de extinção em setembro, depois de 40 anos de proteção.

Fauquier registrou entre 10.400 e 10.752 baleias-jubarte nesta parte do Atlântico norte. Esta espécie se reproduz no Caribe.

A NOAA apontou que este fenômeno de alta mortalidade "pode servir de indicador da saúde do oceano e de problemas ambientais mais amplos que poderiam afetar a saúde humana".

AFP

 AFP