Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Fotografias de Diana, Princesa de Gales, do lado de fora do Palácio Kensington, em Londres, em 29 de agosto de 2017

(afp_tickers)

No dia 31 de agosto de 1997, a princesa Diana morreu em um acidente de trânsito em Paris. Durante uma semana, até o funeral acompanhado por uma multidão, o Reino Unido passou por um momento de luto sem precedentes que estremeceu a monarquia.

Divorciada há um ano do príncipe Charles, a mulher de 36 anos e seu namorado, o produtor de cinema egípcio Dodi Al Fayed, foram perseguidos durante todo o verão no Mediterrâneo pelos paparazzi.

Em 30 de agosto, o casal chegou durante a tarde a Paris e foi jantar no Ritz, um hotel de luxo na praça Vendôme, antes de tentar deixar o local de modo discreto pouco depois da meia-noite em um Mercedes.

Perseguido por fotógrafos que estavam em uma motocicleta, o automóvel entrou em alta velocidade em um túnel e bateu em uma pilastra de cimento.

Diana foi retirada pelas equipes de emergência do Mercedes destruído. Dodi Al Fayed e o motorista, que segundo a investigação tinha um nível elevado de álcool no sangue, morreram na hora. O segurança ficou gravemente ferido.

Sete fotógrafos foram detidos. No dia seguinte, as fotos do acidente foram vendidas para revistas por um milhão de dólares.

A princesa, que sofreu uma grave hemorragia interna, foi transportada para o hospital Pitié-Salpêtrière. Às 4h, foi declarada morta.

O embaixador da França ligou para os assistentes da rainha Elizabeth II em Balmoral, na Escócia, onde o duque de Edimburgo, o príncipe Charles e seus filhos, os príncipes William, então com 15 anos, e Harry, de 12, passavam o verão.

- 'Princesa do povo' -

O Reino Unido acordou de luto. Sem conter as lágrimas, centenas de londrinos começaram a depositar flores diante dos palácios de Buckingham e Kensington, a residência da princesa.

Com a voz embargada pela emoção, o então jovem primeiro-ministro, o trabalhista Tony Blair, prestou uma homenagem à "princesa do povo".

O mundo inteiro expressou consternação com a morte. O presidente americano, Bill Clinton, disse que estava "profundamente entristecido". Na Índia, madre Teresa rezou por Diana. Michael Jackson, "consternado", cancelou um show na Bélgica.

Os paparazzi foram os primeiros acusados. O irmão de Diana, Charles Spencer, culpou os tabloides, que segundo ele tinham "sangue nas mãos".

Em posição incômoda, a imprensa popular elevou Diana ao patamar de ícone. "Nasceu lady. Depois foi nossa princesa. A morte fez dela uma santa", escreveu o Daily Mirror.

O fervor popular era cada vez maior. No palácio de Saint-James, onde estava o corpo, a espera até os livros de condolências chegava a 11 horas.

"A imagem das flores é impressionante: um verdadeiro mar de quase 100 metros de comprimento", escreveu a AFP.

- As palavras da rainha -

A organização do funeral foi um quebra-cabeças. Desde seu divórcio, Lady Di não tinha mais direito ao título de alteza real, nem a uma cerimônia nacional. Mas os britânicos exigiam uma homenagem à altura de sua "rainha dos corações".

O descontentamento da opinião pública aumentava à medida que se prolongava o silêncio da família real, que permaneceu entrincheirada em Balmoral.

Furiosos com a ausência de uma bandeira a meio pau no palácio de Buckingham, os jornais exigiam um discurso da rainha aos súditos.

"A família real nos abandonou", criticou o jornal The Sun.

"Ferida", Elizabeth II se resignou a prestar uma homenagem a uma nora que nunca desejou, em uma mensagem exibida na televisão - a segunda em 45 anos de reinado -, antes de se inclinar publicamente diante do caixão.

"Se os Windsor não aprenderem a lição, não vão apenas enterrar Diana, mas também o seu futuro", advertiu o jornal The Guardian.

Uma pesquisa publicada na época mostrava que um em cada quatro britânicos se declarava a favor da abolição da monarquia.

No dia seguinte, quase um milhão de pessoas acompanharam o cortejo fúnebre em silêncio, apenas interrompido pelos choros e pelo som dos sinos.

Cabisbaixos, William e Harry caminharam atrás do caixão, ao lado do príncipe Charles, do duque de Edimburgo, o príncipe Philip, e do conde Spencer, diante dos olhares de 2,5 bilhões telespectadores ao redor do mundo.

Na abadia de Westminster, 2.000 convidados, entre eles Hillary Clinton, Tony Blair, Luciano Pavarotti, Margaret Thatcher e Tom Cruise, assistiram à cerimônia. Elton John interpretou a canção "Candle in the wind", com uma alteração na letra para homenagear Diana.

Durante a tarde, a princesa foi sepultada em uma cerimônia privada em Althorp, noroeste de Londres. Desde então, descansa em um túmulo em uma ilha que foi a residência de sua família.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP