Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

As colheitas de arroz reduziriam 3,2% e as de milho, 7,4% para cada grau centígrado de aquecimento

(afp_tickers)

As mudanças climáticas terão um efeito negativo em cultivos essenciais como o trigo, o arroz e o milho, indicou nesta terça-feira um relatório científico baseado na revisão de 70 estudos sobre aquecimento global e agricultura.

Os especialistas analisaram pesquisas anteriores que utilizaram uma variedade de métodos, desde a simulação de como os cultivos reagiriam a mudanças de temperatura em escala global e local até modelos estatísticos baseados ​​em dados históricos de clima e rendimento de colheitas e experimentos com aquecimento artificial.

Todos estes métodos "sugerem que o aumento das temperaturas provavelmente terá um efeito negativo sobre as colheitas globais de trigo, arroz e milho", indicou o relatório, publicado na revista americana Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

"Estima-se que cada aumento de um grau Celsius na temperatura média mundial reduz o rendimento global do trigo em aproximadamente 6%", disse o relatório.

As colheitas de arroz reduziriam 3,2% e as de milho, 7,4% para cada grau centígrado de aquecimento, enquanto "as estimativas sobre as colheitas de soja não mudaram significativamente", acrescentou.

Estes quatro cultivos são essenciais para a sobrevivência da humanidade, proporcionando dois terços do nosso consumo de calorias.

Apesar de que uma mudança nas temperaturas provavelmente provocaria um aumento das colheitas em alguns lugares, o relatório esclarece que a tendência global em todo o planeta é em direção à diminuição, o que indica que são necessárias medidas para se adaptar ao aquecimento climático e alimentar uma população mundial em constante expansão.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP