Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Lilian Tintori

(afp_tickers)

A mulher do líder oposicionista venezuelano preso Leopoldo López, Lilian Tintori, pediu apoio internacional para pressionar o governo pela libertação de seu marido e outros presos políticos, em um artigo publicado nesta segunda-feira.

"Peço aos governos ao redor do mundo que tomem ações significativas para libertar os presos políticos", afirmou Tintori no jornal americano Washington Post.

"Meu marido precisa do apoio de todos os países que defendem a liberdade", reforçou.

"Devemos enviar uma mensagem ao governo (venezuelano) de que não pode pisotear sobre os direitos das pessoas impunemente", declarou Tintoti, que participará de uma coletiva de imprensa na capital americana nessa segunda-feira.

López, presidente do partido Vontade Popular, está detido desde fevereiro, esperando julgamento. Ele é acusado de incitar a violência durante a onda de protestos que tomou o país no mesmo mês, que deixou 43 mortos e centenas de feridos.

O dirigente opositor foi um dos incentivadores da estratégia "A Saída", que consistia em ocupar as ruas para forçar a renúncia do presidente Nicolás Maduro, eleito em abril de 2013, o que levou Maduro a classificar os protestos como "golpe de Estado".

Tintori denunciou "várias violações de normas legais e de direitos humanos" na acusação contra seu esposo, que o governo, segundo ela, "jurou manter preso durante uma década".

"Maduro tem medo dele, e tem razões para isso", assegurou, acusando o presidente de descumprir promessas e acabar com "liberdades fundamentais" na Venezuela.

AFP