Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Milhares de poloneses protestam diante do Parlamento, em Varsóvia, neste 16 de julho, contra as reformas no Judiciário

(afp_tickers)

Milhares de pessoas participaram de dois atos em Varsóvia, neste domingo (16), para denunciar as polêmicas reformas do sistema judiciário, orquestradas pelos conservadores no poder.

Segundo a Polícia, cerca de 4.500 pessoas atenderam à convocação do Comitê de Defesa da Democracia (KOD). De acordo com a prefeitura, bastião da oposição, foram 10 mil.

Grzegorz Schetyna e Ryszard Petru, dirigentes da Plataforma Cívica (PO, centro) e do Nowoczesna (liberal) - os dois principais partidos da oposição -, fizeram virulentos discursos, comprometendo-se a colaborar estreitamente para se opor à política do Direito e Justiça (PiS), sigla conservadora liderada por Jaroslaw Kaczynski.

Esta semana, as duas câmaras do Parlamento polonês aprovaram duas leis que, segundo a oposição, vão na direção de um controle do sistema judiciário por parte da maioria conservadora, em detrimento da separação de poderes.

Uma delas trata do status do Conselho Nacional da Magistratura e estipula que o Parlamento, onde o PiS tem maioria, elegerá seus membros. A outra modifica o regime dos tribunais de Direito comum, cujos presidentes passarão a ser nomeados pelo ministro da Justiça.

À noite, a associação de juízes Iustitia fez seu próprio ato diante do Tribunal Supremo, durante a qual os manifestantes criaram uma "corrente de luz" com suas velas. A polícia não divulgou estimativa de público. Segundo a prefeitura, havia pelo menos 17 mil pessoas. Muitas haviam participado da concentração na frente do Parlamento.

Outras cidades, como Cracóvia, Szcezecin e Wrclaw, registraram protestos semelhantes.

AFP