Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Observadores internacionais acompanham, ao fundo, contagem de votos em Barcelona, em 1º de outubro de 2017

(afp_tickers)

Vários dirigentes condenaram neste domingo (1º) as ações policiais em diversos colégios eleitorais na Catalunha, para impedir a celebração do referendo de independência, declarado ilegal pela Justiça espanhola.

Mais de 800 pessoas receberam atendimento médico dos serviços de emergência, após a votação em que 90% dos eleitores da região votaram a favor da independência.

A seguir, as reações internacionais de representantes políticos:

- Prefeitos e presidentes regionais -

-- Anne Hidalgo, prefeita de Paris

"Sou andaluz de origem, e parte da minha família é catalã. O que acontece é muito triste. Confesso que não entendo qual Catalunha quer se separar da Espanha (...) Me custa, no plano afetivo e no racional (...) Talvez possam ser feitas mudanças na relação entre o poder central madrilenho, que nem sempre está certo, e a Catalunha, mas esse desejo de independência me parece muito perigoso para a Espanha e inclusive para a Europa. Estou preocupada. Espero que a Espanha consiga encontrar um caminho com a Catalunha".

-- Nicola Sturgeon, primeira-ministra escocesa:

"Independentemente das opiniões sobre a independência, todos deveríamos condenar as cenas que aconteceram ali e pedir à Espanha que mude de rumo antes que alguém saia gravemente ferido", tuitou. "Deixem as pessoas votarem pacificamente".

-- Geert Bourgeois, presidente da região belga de Flandres:

"Madri, pare a violência e estabeleça um diálogo com a liderança legítima de um povo pacífico".

- Países da UE -

-- Charles Michel, primeiro-ministro belga:

"A violência nunca pode ser a resposta! Condenamos qualquer forma de violência e reafirmamos nosso pedido por um diálogo político"

-- Miro Cerar, primeiro-ministro esloveno:

"Estou preocupado com a situação. Peço pelo diálogo político, pelo Estado de direito e por soluções pacíficas".

- Líderes da Eurocâmara -

-- Guy Verhofstadt, porta-voz do grupo liberal:

"No seio da UE, queremos alcançar soluções mediante o diálogo político e o respeito à ordem constitucional". "Já é hora de reverter a escalada" e de "uma solução negociada" com todos os partidos políticos, "inclusive a oposição no Parlamento da Catalunha".

-- Gianni Pittella, porta-voz dos social-democratas:

"O referendo ilegal não é válido, mas é um dia triste para a Espanha e a Europa", "os sentimentos de tantos cidadãos e cidadãs catalães que ocuparam as ruas também devem ser escutados".

- Outros líderes políticos -

-- Martin Schulz, líder do Partido Social-Democrata alemão:

"A escalada (de violência) na Espanha é preocupante. Madri e Barcelona devem reduzir a tensão imediatamente e buscar o diálogo".

-- Jeremy Corbyn, líder del Partido Trabalhista britânico:

"A polícia contra os cidadãos na Catalunha é estremecedora. O governo espanhol deve agir para parar isso agora", publicou no Twitter. "Solicito a Theresa May para pedir diretamente a (Mariano) Rajoy que pare a violência na Catalunha e que encontre uma solução polícia para esta crise institucional".

-- Jean-Luc Mélenchon, líder do partido de esquerda radical francês França Insubmissa:

"O Estado espanhol perde seu sangue frio. A nação não pode ser uma camisa de força".

-- Benoît Hamon, ex-candidato à presidência pelo Partido Socialista francês:

"No coração da Europa, essas imagens de violência para impedir as pessoas da Catalunha de votar são significativas e ameaçadoras".

- América Latina -

-- Nicolás Maduro, presidente da Venezuela:

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, condenou a "repressão brutal" contra manifestantes que defendiam o referendo separatista da Catalunha, proibido pela Justiça, e chamou o chefe de governo espanhol, Mariano Rajoy, de "ditador".

"Não me meto nos temas internos da Catalunha, da Espanha, nem de nenhum [outro] país, mas são eventos internacionais de grande importância (...) Apareceu a repressão, brutal, brutal, realmente brutal, porque se um povo está em paz e tranquilo, deixem-no em paz", disse Maduro em seu programa dominical, transmitido pela TV estatal VTV.

"Mariano Rajoy tem que responder ao mundo pelo pelo que fez com o povo catalão", acrescentou o presidente, que comparou os fatos com "a época da ditadura" de Francisco Franco (1939-1975).

Maduro é acusado pela oposição venezuelana de uma "selvagem repressão", durante a onda de protestos na Venezuela entre abril e julho, que exigiam eleições gerais no país, e terminaram com um balanço de 125 mortos.

-- Heraldo Muñoz, ministro das Relações Exteriores do Chile

"Respeitamos uma Espanha unida segundo sua Constituição. Lamentamos a violência e centenas feridos no entorno do pretendido referendo na Catalunha".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP