Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O número de mortes decorrentes dos incêndios na Califórnia subiu para 40 neste domingo

(afp_tickers)

O número de mortes decorrentes dos incêndios na Califórnia subiu para 40 neste domingo, mas os bombeiros reportaram progressos no combate às chamas, e centenas de evacuados foram gradualmente autorizados a voltar para casa.

A Califórnia enfrenta frequentemente queimadas após o fim do verão. Mas neste mês as chamas queimaram cerca de 88.090 hectares e devastaram vinícolas em Napa e Sonoma, se tornando o incêndio que mais deixou vítimas da história.

"Infelizmente o número de mortos subiu para 40 pessoas", declarou neste domingo em seu site o Corpo de Bombeiros (CalFire). A cifra anterior era de 38.

O CalFire informou que 22 das vítimas faleceram nos condados de Napa e Sonoma, ao norte de San Francisco.

A agência reportou separadamente "bons progressos" nos 15 maiores focos, uma queda de 16.

Às 14H00 locais (21H00 GMT, 19H00 horário de Brasília) foram suspensas as ordens de evacuação compulsória na cidade de Calistoga, segundo o CalFire.

No vizinho Coffey Park, em Santa Rosa, alguns residentes que haviam sido evacuados começaram a voltar para casa neste domingo, embora essa evacuação ainda não tenha sido suspensa.

"Enquanto os progressos são feitos em diversos fronts, muitos evacuados estão sendo autorizados a retornar para casa. Na manhã deste domingo, cerca de 75.000 pessoas continuavam evacuadas", disse o CalFire. Um total de 100.000 pessoas foram obrigadas a deixar seus lares.

"Os ventos no norte da Califórnia foram mais leves esta manhã", afirmou o CalFire, embora tenha relatado rajadas de vento no sul do estado.

Quase 11.000 bombeiros de vários estados estão em ação contra as chamas na Califórnia.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP