Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Funcionários da fábrica de Kunshan pouco após a explosão no dia 2 de agosto

(afp_tickers)

A explosão em uma fábrica de metais no sábado na China deixou 71 mortos, segundo um balanço atualizado, e foi provocada, denunciou uma ONG, pelas medidas de segurança ineficientes da empresa que fornece peças para montadoras de automóveis, incluindo a americana GM.

A explosão em Kunshan, cidade da província de Jiangsu, a 75 km de Xangai, provocou a morte de 71 pessoas e deixou 186 feridos, muitos com queimaduras graves, anunciaram as autoridades locais.

O acidente aconteceu em uma área de polimento de calotas da empresa Zhongrong e provocou a explosão do revestimento de metal das fachadas externas da fábrica.

Imagens divulgadas pela televisão local mostraram máquinas destruídas e janelas quebradas.

Segundo a investigação preliminar, o acidente foi provocado pela combustão do pó produzido durante o processo de polimento.

A agência Xinhua anunciou a detenção de dois diretores da empresa.

"Aconteciam inspeções, mas quando acabavam ninguém cumpria as regras de segurança", afirmou um funcionário à agência.

A ONG China Labor Watch, com sede nos Estados Unidos, afirmou que a "tragédia é resultado da ineficiência nas condições de segurança"

Os acidentes industriais são frequentes na China. De acordo com dados do governo, o país registrou nos últimos sete meses mais de 640 acidentes de trabalho "graves", que provocaram a morte de 2.700 pessoas.

AFP