Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O chanceler Luis Videgaray afirmou que a prioridade da política comercial mexicana é estabelecer acordos comerciais com as duas principais economias do Cone Sul

(afp_tickers)

No momento em que o México se bate com o presidente americano, Donald Trump, em matéria de livre-comércio, uma das prioridades do governo mexicano é firmar acordos com Brasil e Argentina no curto prazo - disse o chanceler mexicano, Luis Videgaray, na terça-feira (28).

"Hoje, é prioridade da política comercial mexicana estabelecer no curto prazo acordos comerciais com as duas principais economias do Cone Sul", afirmou o ministro, em sessão plenária do Senado mexicano.

O chanceler reconheceu que persistem, com a administração Trump, "notórias diferenças" em diferentes temas, entre eles o Tratado de Livre-Comércio da América do Norte (Nafta, na sigla em inglês), em vigor desde 1994.

Essa situação - admitiu - levou o México a reconhecer a "necessidade imperiosa" de diversificar suas relações econômicas, comerciais e de investimento com outras áreas, além da América do Norte.

"Com respeito às duas principais economias (latino-americanas), Brasil e Argentina, deve-se reconhecer que a relação econômica esteve abaixo de seu potencial, em parte devido à falta de encontro, à falta de vontade recíproca para estabelecer acordos comerciais", acrescentou.

Os Estados Unidos são o destino de mais de 80% das exportações do México, o que deflagrou na América Latina a sensação de que este país lhe deu as costas.

Videgaray garantiu que o processo para estreitar laços com Argentina e Brasil "avança de maneira animadora".

"O México é, sempre foi e sempre continuará sendo um país latino-americano", completou o ministro.

AFP